Adicionar à lista de espera We will inform you when the product arrives in stock. Just leave your valid email address below.
Email Quantity We won't share your address with anybody else.

A paixão por Carros V8

comp23A potência e o ronco inconfundível de seus oito cilindros fizeram do V8 um clássico. Carros V8 chamam a atenção por onde passam e têm cada dia mais fiéis seguidores.

Não há nada melhor do que um bom e velho motor V8 roncando sobre quatro rodas.

Os modelos V8 gastam muito, ocupam um espaço enorme nas ruas e são os melhores amigos dos donos de postos de gasolina. Mas, e daí?

Carros com esse tipo de motor andam por aí chamando a atenção com seu som inconfundível. É só dar uma bombada no acelerador para ver um monte de marmanjo babando em volta.

Essa história toda vem de muitos anos e o mais incrível é descobrir a mística que têm os oito cilindros mais clássicos, como Maverick, Mustang, Camaro, Cougar, Landau, Dodge e outros.

Hoje alguns os chamam de “banheiras”, mas nos anos 70 eles eram conhecidos como Muscle Cars (“Carros Musculosos”) e não tinham rivais, em potência, nas ruas e estradas mundo afora. Pra onde quer que se olhasse, lá estavam os carrões.

A fama era tanta que o cinema imortalizou os V8 em filmes históricos, como:

– “Bullitt” (em que Steve McQueen levanta vôo nas ladeiras de São Francisco com seu Mustang)
– “Mad Max” (que mostra Mel Gibson detonando os inimigos com um V8 todo encrementado)
– “Velozes e Furiosos”. (Quem não babou na hora que aquele Charger RT preto empinou?)

468_2Com o passar dos anos, os V8 – passaram a fazer parte do nosso inconsciente coletivo. O motor possante, o ronco agressivo e o amplo espaço interno seduzem qualquer um.

Quem já teve o prazer de dirigir um “veiotão” não consegue mais mudar.
É o caso, por exemplo, de Osmar Alves Silva, que tem dois Maverick, mas já chegou a ter 14 mavericks.

“Eu via um, gostava e comprava”, conta Osmar, que preside o 468 SP Maverick Clube.
Outro V8 bastante cultuado é o Dodge, principalmente o modelo Charger RT – que, assim, como o Maverick, foi fabricado no Brasil nos anos 70.

Os motores V8 rugem como foguetes na carcaça das “banheiras”, mas isso não quer dizer que sejam uma curtição só para colecionadores. Tendo um pouco de “cascalho e paixão”, você também pode ter um V8.

gata

O que torna o V8 especial é a sua combinação de maciez com potência, proporcionada pela junção de dois motores num só, colocados lado a lado e não em linha.
Seus oito cilindros – quatro de cada lado – são dispostos em formato de “V”, o que explica o nome.

Não é uma inovação passageira, mas um clássico que resiste ao tempo: o primeiro V8 foi construído em 1890 pelo alemão Gottlieb Daimler. Em 1932 o motor começou a ser fabricado em larga escala, pela Ford, e nunca mais saiu de catálogo.

O período de maior sucesso dos oito cilindros veio no final dos anos 60, quando a Ford lançou a versão 302. Esse é o motor que equipava os Mustangs antigos e também os Mavericks V8 que andam em nossas ruas consumindo aquela gasolina toda e enchendo os olhos dos admiradores.

Dirigir um V8 é sempre um prazer. É só pisar que o carrão anda que é uma beleza. Mas tem vários prós e contras nessa brincadeira toda. Então vamos a eles:

VANTAGENS

– O ronco do motor é único e inconfundível.
– Um V8 clássico atrai mais atenção do que qualquer BMW zero.
– A potência do motor garante ultrapassagens mais seguras.
– Os modelos antigos pagam IPVA baixíssimo.
– Quanto mais velhos, mais exclusivos são os V8. Dirigir um carro que só você tem.

DESVANTAGENS

– Você estará sempre visitando o posto de gasolina. Os V8 fazem em média de 3 a 4 Km/litro.
– A manutenção dos V8 é cara. As peças são difíceis de encontrar, e algumas são importadas.
– É grande a tentação de exceder a velocidade, o que pode resultar em multas.
– Você vai ter de lidar com os chatos de plantão que sempre querem dar um voltinha no seu carrão.
– E ainda os “caras-de-pau” que tem coragem de pedir para dirigir.
– Ter um Maverick ou um Dodge não é muito barato. Hoje em dia, devido a alta procura, dá pra comprar um a partir de R$ 20.000,00

Texto adaptado de “Super Máquinas” por Arnaldo Landau